PRINCÍPIO DA SEMANA #162

i·da·de- |origem duvidosa, talvez do latim aetas, -atis|- Tempo transcorrido desde o nascimento ou desde o princípio; Cada uma das fases da vida caracterizada por uma gradação particular do vigor; Duração de uma vida; Período de tempo |vário, mas determinado|; Era, época, tempo.

À nossa idade correspondem quatro estados, vamos chamar assim. Bebé, criança, adolescente e adulto. Aos três primeiros está associada a palavra imaturidade, sendo ao último, o inverso, ou seja, a maturidade. A que é esperada quando atingimos uma determinada idade. Mas que idade será esta?

Parece-me praticamente impossível de tipificar. A idade que temos, na realidade e aquela que constantemente nos perguntam |a tal que aparece no Cartão de Cidadão| não é, de todo, condição ou sinónimo do nosso grau de |i|maturidade.

Apesar de vivermos totalmente rodeados de expressões generalistas, de idade e género, o nível de maturidade que cada um vai alcançando, ou não, ao longo dos anos, é dos processos que nos torna realmente e demonstra aquilo que efectivamente somos. Não existe uma regra que se aplique. Existem pessoas que parece que nascem já adultos dado o nível de maturidade que, desde cedo, demonstram nos seus comportamentos e atitudes e outras que chegam aos 30, 40, 50 e têm atitudes que, em nada, correspondem à sua idade 'oficial'.

Algo que não tem que ser visto como obrigatoriamente negativo desde que esses mesmos comportamentos e atitudes não prejudiquem um outro 'alguém'. Falta de maturidade não é igual a irresponsabilidade, nem muito menos falta de respeito. Existe toda uma linha que os separa. Pode ser em muitas situações ténue mas existe sempre e é muito importante não confundir, nem baralhar. Expressões como “já tens idade para…”, aqui e apesar de não ser pelo generalismo, fazem todo o sentido.

Os desafios, à nossa idade e a agirmos de acordo com ela, podem chegar a qualquer momento e normalmente chegam de onde ou quando menos estamos à espera e independentemente da nossa idade se considerássemos, no nosso dia-a-dia, a máxima “always put yourself in someone else's shoes”, expressões como esta não tinham necessidade de existir.

Colocarmo-nos no lugar do outro é o que nos permite fazer “pequenas” conquistas, vencer desafios, evoluir. E, é este evoluir que nos permite alcançar a |verdadeira| maturidade. A que vai acontecendo, em nós, se fizermos |muito| por isso e não aquela que nos é imposta, pelos aniversários que vamos somando.  ↣ Simples assim ↢.

"Qual seria a sua idade se não soubesse quantos anos tem?"- Confúcio
 

Imagem © Direitos reservados

CONVERSATION

0 comentários:

Enviar um comentário

Back
to top