PRINCÍPIO DA SEMANA #153

e·na·mo·rar. se- (en- + amor + -ar)- Tornar apaixonado; Cativar; Encantar-se; Apaixonar-se.

Palavra e termo não muito utilizado quando o “assunto” é o estar apaixonado|a| e daí, à semelhança de outras palavras pouco usadas no nosso dicionário, me enamorar tanto por ela. Apesar de, na sua definição, ser = a estar apaixonado, o enamorar-se, o estar enamorado|a|, de certa forma, parece|-me| ser mais que uma paixão. Parece |-me| existir algo de mágico associado a esta palavra, que nos faz pensar e ter todo o tipo de sentimentos, no coração, o lugar onde tudo acontece.

Ainda que tenha uma sonoridade bastante parecida, este "e" antes do namorado|a|, faz toda a diferença, uma vez que estar enamorado|a| é um estado. Nosso. Vivido internamente, logo, pode ser, ou não, correspondido. O enamorar-se diz que a pessoa foi cativada, encantada, por algo ou alguém, de modo irresistível. Um arrebatamento que surge de um momento, de uma palavra, de um cheiro, de um olhar. Um arrebatamento que, pode muitas vezes, deitar por terra todas as certezas e verdades absolutas, que vamos construindo interiormente, sobre gostos e não gostos, que julgamos ter e que sobretudo julgamos que nunca iriam mudar. Mas, mudam. Assim, de repente. E, é bom descobrir que, afinal, até gostamos de "azul" quando afirmávamos, com todas as letras, que não. Um arrebatamento que surge “do nada" e, naturalmente, sem qualquer tipo de plano, ou aviso prévio. Simplesmente acontece. Em qualquer hora. Em qualquer lugar. A nossa vontade, se é ou não conveniente, a lógica e a racionalidade ficam, completamente, de fora desta equação.

Enamorar-se implica uma série de emoções que sentimos, constantemente, que vão desde o coração à pele. Pode provocar-nos estados de felicidade que nos levam à lua vezes seguidas e que parece vermos reflectidos em tudo o que nos rodeia. Tudo o que até já nos rodeava mas que, agora, vemos de maneira diferente. Poderíamos estar um tempo infinito a tentar perceber e a arranjar justificações de “como” e “porquê” é que acontece|u| e nunca chegaríamos a uma |só| única conclusão.

Curiosamente e apesar de ser algo que acontece a todas as pessoas e que, portanto, nos liga como seres ditos humanos, a verdade é que é um fenómeno que ocorre, sempre, de forma singular logo, tudo o que lhe está associado, varia de pessoa para pessoa. Algo que não se explica mas |apenas| se sente. E, por vezes, é bom não saber explicar e apenas sentir. Como uma fórmula química que resulta na perfeição, uma peça que, de repente, encaixa.

“Diz-se” que, este é um estado efémero e que, por isso mesmo, está destinado a ser sentido durante pouco tempo. Mas, e uma vez que, o tempo e a forma como o sentimos, internamente, é também único, acredito que, às vezes, este “para sempre”, que automaticamente nos remete a pensar em muito, podemos, na verdade, sentir como pouco, tempo.

↣ Para sempre, reconhecer que algo ou alguém, para além de nós, é único. Para sempre, tornar esse algo ou alguém único para nós. Para sempre, como se o tempo parasse. Para sempre, sentir tudo sem saber descrever nada. |Simples assim|. ↢


Imagem © Direitos reservados

CONVERSATION

0 comentários:

Enviar um comentário

Back
to top