PRINCÍPIO DA SEMANA #150

ci·clo- (grego kúklos, -ou, roda, círculo, forma redondo, coisa disposta em círculo). Série de fenómenos que se sucedem numa ordem determinada; Parte de um fenómeno periódico que se efectua durante certo espaço de tempo; Período sempre igual de determinado número de anos no fim dos quais devem repetir-se na mesma ordem os sucessos astronómicos ou os factos determinados pelas mesmas causas ou influências; Grupo de poemas, novelas, etc., constituindo uma espécie de círculo em volta de um facto, de um herói ou de uma família.

Um dos grandes dados adquiridos, da vida, é que tudo é cíclico. Tudo muda e as mudanças, os finais e recomeços são inevitáveis, para todas as pessoas. As estações, o mundo, o corpo, as pessoas, os sentimentos. Tudo se alterava e vai mudando, porque nada é estanque nem permanente. O que nos faz sentido hoje, “amanhã” pode deixar de fazer. Atravessamos as chamadas fases, constantemente, e nem nos apercebemos do enorme poder de adaptação, que temos. Adaptamo-nos a tudo o que até nos pode parecer impensável. A tristeza, a perda, etc.

Tudo o que vivemos atravessa fases e todas elas são sempre diferentes. Cada nova adaptação pressupõe um novo ciclo, logo uma mudança que, normalmente, nunca vemos chegar. Como seres que, por norma, não lidam bem com o que altera e deixa de ser “assim”, na presença de um novo ciclo, muitas vezes, temos dificuldade em redireccionar as nossas acções.

A questão é que, na base de qualquer novo ciclo está uma nova aprendizagem e, é nesse “novo”, que pode até ser não tão novo assim, que nos devemos focar. Se formos flexíveis a nível de pensamento, se confiarmos no nosso processo de evolução, apercebemo-nos, mais cedo ou mais tarde, que as coisas são e mudam exactamente para o que é melhor e necessário mudar. Mesmo que este seja um pensamento de difícil aceitação e mesmo que demoremos muito tempo até “lá chegarmos”, acabamos sempre por perceber, o porquê de um final e de um novo início.

Por mais que o caminho pareça sinuoso, e até o pode ser, tem apenas uma direcção, que é em frente. É preciso confiar. Confiar, em primeiro lugar em nós. Nas nossas competências e qualidades. Em tudo o que reunimos, como seres únicos que somos. Depois, a atitude. A atitude, deverá ser a de abertura. Abertura à mudança, a aceitação do cíclico, que está em nós e no que nos rodeia. Esta é a fórmula "mágica" de nos reinventarmos e de, assim, nos adaptarmos à mudança e com isso evoluirmos, para o novo.  

“Muitas vezes nos impressionamos com a velocidade que as coisas acontecem, e costumamos ficar verdadeiramente surpresos com o que acontece de repente, de uma hora para a outra. Mas, só temos que nos lembrar que quando as coisas dão uma reviravolta na nossa vida, não nos devemos assustar, e sim nos prepararmos para nos adaptar às mudanças, porque muitas vezes as mesmas acontecem e nós nem percebemos... Assim como o começar de um novo dia passa despercebido, assim que o relógio marca a meia-noite, ninguém nota a diferença, mas tudo já mudou e mesmo que não seja aparente, um novo dia já começou. Quando o futuro lhe trouxer uma surpresa, algo inesperado, alegre-se, pode ser que seja o chegar de um novo dia na sua vida, o que marca o início de um recomeço, uma página em branco, uma nova história". 
Imagem © Direitos reservados

CONVERSATION

0 comentários:

Enviar um comentário

Back
to top