janeiro 12, 2017

SE TU GOSTAS... |EU QUERO É QUE SEJAS FELIZ| #27

Já ninguém faz nada. Coisas ridículas que nem necessitam de especialização são difíceis de ver cumpridas, principalmente se se for idoso ou incapacitado físico – não existe ninguém disponível para as fazer. Outro dia a minha avó dizia: “só queria pagar a alguém para ir ao telhado tirar uma folhas da caleira, para não entupir, mas já ninguém quer fazer isso.” E acrescentou “antes ainda conseguia o serviço feito porque a Fátima subia lá acima”. Isto dito com uma segunda intenção, tipo já antes era preciso uma mulher lá ir, como posso esperar encontrar actualmente um homem que faça o mesmo? É, ela tem razão… muita razão.

Já ninguém faz nada e tudo é descartável. Os sacos de plástico eram descartáveis (a lei que obriga a pagar sacos mudou por completo esta mentalidade), as garrafas de vidro passaram a ser descartáveis (antes devolviam-se  e recebia-se um depósito – lembro-me de procurar garrafas de vidro na praia para ganhar uns trocos) mas felizmente muitos alguns colocam-nas no vidrão, e até conheço quem coma apenas em talheres e pratos de plástico para não ter de lavar a loiça. Melhor: dormem em casa mas num saco-cama, no chão. Ando mesmo a ficar velho…

Ora, no meio de uma dissertação sobre este tipo de temas numa roda de amigos, alguém acrescenta “é como coser meias!”. Eu respondi “que tem coser meias?”. “Que horror! Coser meias é mesmo à velho!”. “Mas… eu coso as minhas meias… se só têm um buraquinho…”.  E foi a risota. Eu sou o antiquado – coso meias. Os outros são os modernaços – mal vêem um buraquinho deitam-nas fora e depois compram mais. Viva o século XXI.

Acho graça quando vou à compras e vejo para venda panos de limpeza. Ou seja, as pessoas deitam as tais meias e roupa com o mínimo estrago para o lixo, e depois compram panos para fazer limpezas. Curioso que estas mesmas pessoas são aquelas que se dizem protectoras do meio ambiente, que quando vêem um documentário sobre o Mundo acabar em 10 anos com falta de água e combustíveis fósseis dizem “que horror” e tratam logo de culpabilizar “os outros” que não-apagam-a-luz ou que deixam-a-torneira-aberta. Não sabem que fazer panos de limpeza também gasta esses mesmos escassos recursos – tenho para mim que são certamente as mesmas pessoas que pensam que um frango é diferente de uma galinha e que o bacalhau nada em postas e lombos perto da Noruega.

Tudo é descartável. E não interessa fazer bem, ou ter brio no que se tem ou no que se faz. Interessa é ser o primeiro e ter mais. E não ser o melhor e fazer bem. É o século da ansiedade. Somos todos corredores dos 100 metros – a maratona é “old fashion”… Os mais antigos dizem “para trás mija a burra” e eu acrescento “para a frente mija o burro”. Ou seja, nem tanto ao mar nem tanto à terra.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Babi a Única © 2009-2014. All Rights Reserved | Powered by Blogger

Blog Design por The Zero Element