dezembro 15, 2016

SE TU GOSTAS... |EU QUERO É QUE SEJAS FELIZ| #23

A Margaret Tatcher passava pelo Marquês de Pombal devidamente escoltada, trânsito interrompido, milhares de pessoas a espreitarem a caravana de carros, e eis que um adolescente pergunta a outro:
- Quem é?
- É a Margaret Tatcher.
- Epá, ela tem músicas espectaculares!
Esta história é antiga e verdadeira, mas é incrível quando numa época em que ainda não se fazia sentir a globalização de tudo, principalmente da comunicação e da música, e já aquele “tenrinho” procurava não ficar atrás no capítulo da sabedoria. Errou redondamente. Depois vieram mais canais de TV, a Internet tomou conta do mundo e a consequente exploração da imagem de todos os pretensos cantores/ músicos/ instrumentistas. Passou a ser possível reconhecer um “famoso”.

Hoje, a proliferação de artistas faz-se sentir como nunca, sendo muitas vezes difícil diferenciar e/ou identificar quem está a tocar ou cantar. Já não existe aquele cunho que distinguia um do outro – parecem todos cópias de alguém que já ouvi. Será falta de criatividade ou realmente é um mundo já sobejamente explorado? Cada um que opine à sua maneira. Já estou é farto de ver gajos de calças largas, boné e tatuagens. Até porque um é giro e cabe na paisagem - já meia dúzia parece um quadro borrado.

E já vos perguntaram “qual a tua música preferida”? A questão é sempre feita como se a resposta nos definisse – se és rocker, hippie, zen, rapper… Gosto de muitas canções, demoro o meu tempo a enumerá-las, e ainda bem. Mas fico assustado quando penso nas primeiras três músicas que me vêm à cabeça – têm todas mais de 20 anos! Estou velho ou a criatividade estagnou de lá para cá? Não sei, “é geracional” dizem os mais sabicho las no estudo de tudo e mais alguma coisa. Aqueles que sabem tudo e que, quiçá, nos poderiam ensinar alguma coisa, mas que nem querem escrever um livro porque “tá tudo na Internet”. Cromos.

Certo é que a música nos embala, nos acalma ou nos diverte. Outras deprimem. Recentemente descobri o termo “canção de desamor” – contrário a canção de amor, pensei eu. E é isso, mais ou menos. São músicas deprimentes, para a lágrima difícil (e não fácil, porque são músicas bem feitinhas). E descobri também que algumas das que mais gosto enquadram neste estereótipo. Coincidência ou não, pelos vistos gosto de sofrer. Já vos perguntaram qual a música preferida? Aqui vai uma que ouço em “loop”: “Black” dos Pearl Jam. Agora que já abri o meu coração, abram o vosso - qual a vossa canção de desamor?

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Babi a Única © 2009-2017. All Rights Reserved | Powered by Blogger

Blog Design por The Zero Element