agosto 31, 2015

Princípio da Semana #57

ú·ni·ca- Sem outro da sua espécie ou qualidade; Que só tem um elemento, uma unidade, um componente; Excepcional; Sem precedentes; Que não se encontra facilmente; Que é muito diferente dos outros; Especial; Incomparável.

"Ser único não é ser apenas um é ser aquele que marca, encanta e seduz". Esta frase encaixa na perfeição em Diana que nos deixou faz hoje precisamente 18 anos. A ela são atribuídas todo o tipo de qualidades e ao longo dos anos muito já se falou e disse sobre a sua vida e maneira de ser, mas para mim ela é a personificação do que significa ser única e acredito que cedo tenha tido essa consciência.

Sou a maior defensora de que cada um de nós é um Mundo, que todos somos únicos, irrepetíveis e sou totalmente contra generalizações, principalmente aquelas que estamos sempre a ouvir aqui e ali- "as mulheres isto, os homens aquilo". Por outro lado, também defendo que e apesar de não haver pessoas mais únicas que outras, há quem se destaque mais pela sua unicidade e Diana é o exemplo perfeito. Também por isso a sua memória e tudo o que fez e foi continua tão presente.

Todos nós somos únicos, não existe ninguém no mundo igual a nós. Cada um de nós tem dentro se si, um carácter, um mundo de ideais, hábitos, sonhos e manias e penso que cada vez mais é importante desmistificar que ao conceito de ser único e de nos afirmarmos como tal está associado algum tipo de presunção por parte de quem o faz. Parece que temos algum problema em afirmarmos que somos bons a fazer isto ou aquilo, que o fazemos, lá está, de forma única e só o podemos dizer ou afirmar, no social, se for como que a brincar pois "o que vão os outros pensar?..." Para mim que já o afirmo há vários anos, ser único e ser presunçoso são duas coisas totalmente diferentes. Proclamo a unicidade e penso que o descobrirmos isso em nós, a nossa unicidade, é um passo enorme na nossa auto-aceitação e no nosso relacionamento com os outros e ao fazermos essa afirmação isso é também um passo gigantesco na construção da nossa auto-confiança. Não tenho a menor dúvida de que quanto mais nos assumirmos como seres únicos mais auto-confiantes vamos ser. Se pensarmos que todos nós gostamos de sentimentos, coisas, experiências, únicos (as) então porque não nos afirmarmos também como (seres) únicos? 

"Nunca nos devemos comparar com os outros, porque a verdade é que não existe ninguém com quem nos possamos comparar. Cada um de nós é apenas aquela pessoa particular e não existe ninguém - nem no presente, nem no passado, nem no futuro - que seja exactamente igual a nós".- Osho

Imagens © Direitos reservados

agosto 28, 2015

S-E-I-S!

É considerado o primeiro número perfeito e que pode ser escrito de forma única. Achei curiosa esta definição dado que seis é o número de anos que celebro este ano de "Babi a Única". E foram seis anos (quase) perfeitos e sem dúvida únicos! É uma frase feita, mas "parece (mesmo) que foi ontem". São seis anos de muito trabalho, de muitas lutas e conquistas. Seis anos repletos de pessoas maravilhosas que fui conhecendo e que comigo se foram cruzando. E este é o maior ganho para mim. As pessoas que conheci, as experiências que tenho tido e tudo o que tenho aprendido. (Obrigada! ).

Como forma de comemoração e de gratidão também, gostaria de vos convidar, a vocês que estão desse lado e que também fazem parte desta minha "viagem" a se juntarem a mim no próximo dia 4 de Setembro, pelas 18h30, para um final de tarde de Verão bem divertido! 

Entre outras surpresas, esta celebração vai contar com um Sunset e com um Summer Market onde vão poder encontrar roupas, acessórios, calçado, maquilhagem, livros e outros artigos, cuja parte das vendas reverterá a favor de uma associação que apoio frequentemente que é a "Animalife- A criar histórias felizes”. O Summer Market conta também com o apoio da Mary Kay, por isso todas(os) que efectuarem compras no mercado recebem um gift da marca. Tudo isto vai acontecer entre as 18.30 e as 21.00, no hotel NH Liberdade, na sala Saramago e no rooftop Ático e muito mais do que uma experiência de compras, este mercado solidário, pretende ser um momento de convívio, tendo como pano de fundo uma vista 360º sobre a nossa lindíssima cidade de Lisboa.

Mesmo que não queiram comprar nada quem quiser aparecer, mesmo que seja só para olá e um beijinho, será muito bem recebida(o)!

agosto 27, 2015

Mas o que se passa com os sapatos femininos?!

Eu sei que gostos não se discutem e que existe a máxima "primeiro estranha-se depois entranha-se", mas esta não me convence, não me convence mesmo! Li esta semana que estes novos granny shoes são o "último grito da moda". A pergunta que faço em cima é algo que já povoa a minha cabeça há algum tempo pois tenho vindo a assistir a um verdadeiro "assassinato" à feminilidade dos nossos pés. Esta "febre" de ugly shoes entre os quais saliento UGG's, Birkenstock's, Crocs (que me perdoe a marca, mas para mim, apenas deveria ser permitida a sua venda a profissionais da jardinagem e pessoas que trabalhem na área da saúde), socas (como é que alguém consegue andar em cima de madeira é algo que me transcende, mas enfim...), sapatos de corda e cunhas a torto e a direito, que é verdade até podem ser super confortáveis mas de elegantes têm muito pouco ou nada, sandálias de plataforma como as que foram grande tendência este Verão que em muitos casos têm uma altura tal que parece que andamos em cima de tijolos de plástico... Tudo isto começa já a escapar ao meu entendimento.

Mas afinal o que é feito dos sapatinhos de princesa? Dos sapatos super elegantes e femininos? Das sabrinas simples, com ou sem laço, (pessoalmente não dispenso o laço), dos stilettos clássicos?... E não vale a desculpa de todos os modelos que citei em cima serem super confortáveis, porque há milhares de modelos de sandálias e sapatos rasos e às vezes até com salto, que são super confortáveis... Os ténis tudo bem, até porque cada vez estão mais femininos e até já eu fiquei rendida e actualmente ténis para mim já não são apenas All Star, como era até há uns tempos atrás. Os meus Adidas Flux rosa com bolinhas brancas abriram todo um precedente. Mas agora, granny shoes? Say What?? Penso e na minha modesta opinião que já seria a altura de um "back to the basics"...



Imagens © Direitos reservados

agosto 26, 2015

"Embrace"- Body Image Movement

Um vídeo que todas nós deveríamos ver. São 4.59 minutos super comoventes, mas acima de tudo muito inspiradores. Um exemplo que nos fala sobre o drama que a maior parte de nós vive ou já viveu a certa altura da vida, na relação com o nosso corpo. O que começou por um problema tornou-se num movimento à escala mundial que tem como objectivo ensinar todas as mulheres a amar o seu corpo tal como é. "Embrace" é um movimento do qual, a uma pequena escala, faço parte já que o meu trabalho visa isso mesmo. O objectivo principal de um processo de Consultoria de Imagem é muito mais do que simplesmente ver roupa e aconselhar o que vestir e não vestir. É muito mais do que dizer o tipo de corpo que cada pessoa tem e o que a favorece ou não. Claro que a nossa imagem pode sempre ser melhorada mas facto é que acima de tudo existe um processo interior de auto-aceitação. Temos que aceitar e amar o nosso corpo com todas as coisas boas e menos boas que ele tem. A lição a retirar daqui é a que defendo todos os dias: "everyBODY is beautiful".



Imagem © Direitos reservados

agosto 25, 2015

Sobre "O Pátio das Cantigas"

O filme do momento, do mês, diria do ano. O Pátio das Cantigas já foi visto por "meio mundo" em Portugal. Só eu já fui ver duas vezes e (pasmem-se os mais críticos) iria ver uma terceira!

O Pátio das Cantigas versão 2015 entrou directamente para a uma categoria de filmes que tenho que é- Os filmes que poderia e devia ver todos os dias- Que são aqueles que fazem bem à alma, são alegres, bem-dispostos, despretensiosos, que não são para ficar a pensar, fazem rir pronto.

Não costumo escrever sobre filmes e estou muito longe de ser critica de cinema, nem queria, mas decidi fazê-lo, neste caso, pois começou a crescer em mim um sentimento de enorme irritação face a todas as criticas que já ouvi por ai. Começou assim que saí da sala de cinema. "Nada de especial, não tem nada a ver com o original", etc. etc. Chateia-me profundamente o grau de exigência que temos com aquilo que é nosso (no geral) e neste caso com o cinema português. Se vamos ver uma comédia americana daquelas sem história nenhuma, saímos do cinema a dizer "ah nada de especial, foi giro" e somos até capazes de dizer a alguém que "se vê bem", mas como é português, antes de o vermos já vamos de pé atrás. "Uhm deixa lá ver, Pátio das Cantigas, versão 2015? Aposto que deve ser um fiasco" e claro, sempre prontos a disparar críticas. Se o Pátio das Cantigas fosse um remake de um qualquer filme clássico americano, era já para lá de espectacular...

Eu AMEI o filme. Mesmo. Há muito tempo que não me ria tanto. Não entendo as críticas que o comparam à versão original. Um remake é exactamente isso, é inspirado, baseado no original não pretende ser uma cópia...! "O próprio realizador afirmou que não tentou copiar o filme, não era esse o objectivo. Adaptou o filme aos dias de hoje. É sim uma homenagem aos MAIORES filmes de comédia portuguesa. Foi uma ideia extraordinária". Encarem o que é nosso de espírito aberto e a todos as críticas e criticos no sentido mais negativo da palavra:
Para quem ainda não viu vá ver! Aplausos para ti Leonel Vieira e que venha o "Leão da Estrela" em Dezembro!

Imagens © Direitos reservados

agosto 24, 2015

Princípio da Semana #56

com·pa·nhei·ris·mo- Qualidade ou comportamento de quem demonstra acompanhar, apoiar ou cuidar de outrem; Cumplicidade; Fidelidade; Lutar pelo mesmo propósito; Andar juntas na mesma direcção; Confiança; Respeito; União.

Palavra muito interessante e sentimento pouco falado, na minha opinião. Fala-se muito em amizade, amor então... Mas o companheirismo parece-me pouco valorizado. E devia, pois apesar de surgir intimamente ligada à amizade e ao amor não é a mesma coisa. A linha que os separa é muito ténue, mas existe. Podemos ser amigos, maridos, mulheres, namorados, namoradas de alguém sem ele existir, mas é possível existir companheirismo sem que necessariamente exista uma grande amizade que o proceda. O amor também não é condição sine qua non para que ele exista até porque acredito que é possível passarmos a vida inteira ao lado de alguém sem haver companheirismo.

Muito recentemente passei por uma das mais felizes experiências de vida, quer a nível pessoal quer profissional, que foi uma óptima lição e aprendizagem do que é este sentimento. O "lutar pelo mesmo", o "andar juntas na mesma direcção". Pessoas que não eram amigas e que num curtíssimo espaço de tempo se tornaram companheiras. Sim, é possível. Percebi, senti o companheirismo como dos mais verdadeiros e dos mais bonitos sentimentos que se podem ter entre pessoas. Mais bonito ainda se torna quando acontece por uma junção simples de energia, e acontece naturalmente sem nada de concreto ser feito. Apenas acontece.

Nos dias de hoje parece que é algo difícil de encontrar seja em que tipo de relacionamento for, dado que vivemos numa época e sociedade em que predomina o individualismo. A procura do EU, do que EU faço aqui, do que EU quero. Eu, eu, eu. Parece que de alguma forma fomos desaprendendo a estar com... Nisto (também) a espécie animal é bastante mais desenvolvida que nós, os ditos humanos, principalmente os cães que já nascem a saber e a sentir o que é o "cãopanheirismo". O saber ser companheiro tem que ter por base um certo nível de maturidade que não é fácil de alcançar, demora  tempo, acredito que para certas pessoas uma vida inteira não chegue. Esta maturidade permite-nos estar junto, sem querer dominar nada nem ninguém. Apenas estar.

Companheirismo é contar com os outros e os outros connosco. O companheirismo, o ser companheiro não é nada a mais do que estar ao lado de, em qualquer momento, dure esse momento o tempo que durar. Ser companheiro implica saber quando ouvir, saber quando falar, estar disponível sem nos anularmos. É compreender o que o outro sente, é sobretudo não julgar. Ser companheiro é ter a coragem de sermos nós, de abrirmos o nosso coração, sem medos, sem reservas, é "dar as mãos sem aprisionar". 

O companheirismo revela-se nas e manifesta-se nas chamadas "coisas pequenas", aquelas do dia- a- dia que para mim significam Tudo. Uma palavra, uma mensagem, um telefonema, um gesto. Coisas simples mas que sabemos que farão o outro feliz.

"O Companheirismo é o meio do caminho daquele que busca aperfeiçoamento de si. A jornada começa a ser entendida e a pedra começa a ter formato" P. Ursaia


Imagem © Direitos reservados

agosto 21, 2015

A Água Termal

1- Vichy; 2- Avène; 3- La Roche Posay; 4- Uriage
Uma das minhas companheiras inseparáveis, que faz sempre parte do meu kit de Verão. A água termal tem inúmeros usos e benefícios, ajuda a refrescar, a proteger e a hidratar a pele do rosto e de todo o corpo. 

Nutre e alivia a irritação da pele nos dias de mais calor, pode ser usada várias ao longo do dia e forma uma barreira que nos protege de factores externos como o vento, a poluição e a radiação UV. Mas não é só! É também óptima para depois da depilação, para quando viajamos de avião (existe em tamanho pocket size, na La Roche pelo menos), ou para quando passamos muito tempo em ambientes com ar condicionado. É ainda um excelente primer (facilita a aplicação da maquilhagem) e pode (e deve) ser usada para depois (pois ajuda a fixá-la).

"Este verão não abandone, ADOTE!"

O lema deste verão e de todo o ano. Parabéns Lidl pela campanha. Excelente exemplo!

Até ao final deste mês, por cada animal adoptado das associações parceiras da SOS Animal, o Lidl Portugal vai apadrinhar um cão e/ou gato destas instituições e doará o correspondente a um ano de alimentação para o animal.

“Este verão não abandone, adote!” é o mote desta campanha que tem como objectivo sensibilizar os portugueses para a adopção de animais e combater o seu abandono durante as férias de verão. Esta iniciativa pretende ajudar 10 animais abandonados a encontrar uma nova família. Por cada animal adoptado o Lidl irá apadrinhar outro animal das associações parceiras, ajudando directamente 20 animais, porque “melhor que salvar uma vida é salvar duas”.

Como adoptar: Se está interessado em adoptar um dos animais da campanha "Não abandone, Adote" deverá enviar um email para socialmedia@lidl.pt com os seguintes dados:

- Nome do animal que pretende adoptar;
- O seu nome, morada e contacto telefónico;
- Um pequeno texto descritivo da sua motivação.

Em seguida o Lidl Portugal encaminhará toda a informação para a SOS Animal para que esta avalie a candidatura, de forma a garantir uma adopção responsável.

Concluído o processo de adopção o Lidl Portugal enviará à associação parceira a doação correspondente a um ano de ração. Link da campanha, aqui

agosto 20, 2015

Achados nos Saldos #80

Botins P&B (Original leather)- 12,99€; Over Knee Socks Primark- 0,50€


agosto 19, 2015

"Zadig Loves Lisboa"



Criadas pela "Zadig e Voltaire" como forma de declaração de amor por Lisboa, em vermelho e kaki. Ambas de edição limitada e estarão à venda durante a próxima VFNO. É (mesmo) caso para dizer- um-dó-li-tá, já que são as duas lindas! 

"Zadig Loves Lisboa" and we love Zadig!

Imagens © Direitos reservados

agosto 17, 2015

Princípio da Semana #55

co·ra·gem- Firmeza de ânimo ante o perigo, os reveses, os sofrimentos; Bravura; Confiança; Força espiritual para ultrapassar uma circunstância difícil; Hombridade; Determinação; Constância; perseverança (com que se prossegue no que é difícil de conseguir).

8760 é o número de horas, de coragem, que precisamos por ano. Precisamos dela para tudo e mais alguma coisa, desde as coisas mais simples como acordar, sair de casa, escolher o que vestir, ir trabalhar, conduzir, socializar, às mais complexas como ter relacionamentos, filhos, etc... 

Originalmente, surgiu do latim "cor" e a definição original da palavra era "contar a história de quem somos com o coração". Não poderia concordar mais. A coragem vem do coração e ela é o combustível que precisamos para seguir em frente, se não a temos, se nos falta, algo não está bem nem vai funcionar como devia. 

Aristóteles afirmou que: "A coragem é a primeira das qualidades humanas porque garante todas as outras" e viver com coragem significa pura e simplesmente ser quem somos, aceitarmo-nos apesar do que os outros possam pensar ou opinar. E esta é a maior prova de coragem pela qual todos passamos. Nos afirmarmos como somos independentemente de acharmos que somos menos "normais" que o mundo à volta. Coragem significa também defender aquilo em que acreditamos sem pestanejar, mesmo que 99,9% das pessoas à nossa volta digam o contrário. Coragem significa ir atrás dos nossos sonhos lutando contra toda a adversidade que se vai cruzando no nosso caminho e mesmo quando "os outros" dizem que não conseguiremos. Aceitar o nosso passado é ter coragem, lutar é ter coragem, saber perder é ter coragem, sofrer é ter coragem, chorar é ter coragem, gritar é ter coragem, parar é ter coragem, perdoar é ter coragem, saber dizer não, por mais que isso nos doa, é ter coragem, amar é ter (muita) coragem. Viver, escolher viver todos os dias, é a verdadeira materialização da coragem.

Uma das coisas em que mais acredito e a minha maior aprendizagem tem sido que aquilo que mais tememos e que temos a coragem de enfrentar é exactamente aquilo que nos liberta, no verdadeiro sentido da palavra Liberdade. Saber que temos medo, ter consciência que ele existe e enfrentá-lo de frente é a maior expressão de coragem que podemos ter connosco próprios. A vida é uma constante e diária luta contra o M-E-D-O, o nosso pior inimigo e que vive connosco e dentro de cada um de nós. O pensamento que tento sempre ter e sobrepor quando lhe dou ouvidos (ao medo) é: Qual é a pior coisa que pode acontecer se tentar, se o fizer? É falhar, é sofrer, é acima de tudo não conseguir e o que isso me vai fazer sentir. Sim pode acontecer isto tudo, é verdade, mas se não o fizer e se não tentar nunca me vou superar e sobretudo nunca vou perder e me libertar deste mesmo medo.

"A palavra coragem é muito interessante. Ela vem da raiz latina cor, que significa "coração". Portanto, ser corajoso significa viver com o coração. E os fracos, somente os fracos, vivem com a cabeça; receosos, eles criam em torno deles uma segurança baseada na lógica. Com medo, fecham todas as janelas e portas... O caminho do coração é o caminho da coragem. É viver na insegurança, é viver no amor e confiar, é enfrentar o desconhecido. É deixar o passado para trás e deixar o futuro ser. Coragem é seguir trilhas perigosas. A vida é perigosa... A pessoa que está viva, realmente viva, sempre enfrentará o desconhecido. O perigo está presente, mas ela assumirá o risco. O coração está sempre pronto para enfrentar riscos; o coração é um jogador. A cabeça é um homem de negócios. Ela sempre calcula – ela é astuta. O coração nunca calcula nada." Osho

Imagem © Direitos reservados

agosto 14, 2015

Achados nos Saldos #79

Colares. Nunca são demais! Falta sempre algum. Ou é a cor que não temos, o comprimento, o material enfim, os acessórios são sempre um óptimo e necessário complemento em qualquer look e "um mundo" em que facilmente nos perdemos, tamanha é a oferta. Os saldos são sempre uma óptima altura, principalmente no final, de fazer verdadeiros achados. Este encontrei-o "perdido" na Parfois e custa agora 2,99€.

agosto 13, 2015

Cuidar dos nossos Cabelos- "Supreme Oils" Avon

Esquecemo-nos frequentemente que à semelhança de tudo o resto em nós é importantíssimo cuidar da saúde e da beleza do nosso cabelo. Este cuidado é sobretudo importante no Verão onde o calor, o sol e o vento expõem-no a uma série de agressões, levando-o, muitas vezes, a uma secura extrema e com os devidos cuidados, desnecessária. 

Um dos produtos que comecei a usar recentemente é este novo Óleo Bifásico da Avon. O "Supreme Oils". Para além do cheirinho maravilhoso que deixa, cria uma camada protectora que ajuda a combater a secura, a quebra e as pontas espigadas. Graças à fórmula do Complexo Nutri 5, que une os óleos de Macadâmia, semente de Camélia, amêndoa, semente de Uva e Marula, assegura-nos um cabelo nutrido e super radiante. 

Qualquer uma de nós o pode usar, independentemente do tipo de cabelo que tem. A sua aplicação é super fácil, basta vaporizá-lo em toda a extensão dos fios– antes ou depois de estarem penteados, (pessoalmente prefiro depois). 

Gostavam de o experimentar? Há passatempo a decorrer na página de facebook do blog .

PRVP: 13,95€

agosto 12, 2015

Ajudar a Eva


Recebi há uns dias este pedido de ajuda, por parte de uma Amiga, que visa a colaboração no preenchimento de um questionário, realizado no âmbito da conclusão da dissertação do Mestrado em Marketing da Faculdade de Economia da Universidade do Porto (FEP).

O preenchimento do mesmo apenas deve ser feito por usuários do Facebook. A nossa participação é essencial para a realização deste estudo e para o avanço do conhecimento nesta área. O inquérito é confidencial e anónimo:

No Facebook, segue alguma destas marcas de luxo?


Se sim, escolha apenas uma das marcas (clicando no link) de acordo com um (ou mais) dos seguintes critérios:
a. Ser seguidor(a) da marca;
b. Ser usuário(a) da marca;
c. Ter um grau de estima/conhecimento da marca.

As respostas para cada questão apresentam uma escala de 1 a 7, sendo que 1 corresponde a "Discordo totalmente" e 7 a "Concordo totalmente".

Podem responder até ao próximo dia 19.
Em meu nome e da Eva, Obrigada!

Imagem © Direitos reservados

agosto 11, 2015

Passatempo BodyConcept- O Resultado

As (felizes) vencedoras que vão ganhar três conjuntos de dois tratamentos intensivos + seis tratamentos de programa mensal na BodyConcept são:







Parabéns às três! 

agosto 10, 2015

Princípio da Semana #54


le·ve·za- Qualidade do que é leve, pouco pesado; Ligeireza; Pouco peso.

"Procuramos sempre o peso das responsabilidades, quando o que na verdade almejamos é a leveza da liberdade." M. Kundera

Estamos supostamente no mês mais leve do ano, em que mesmo estando a trabalhar tudo o que não queremos são "coisas pesadas". Longe disso! Todos queremos coisas light, (a começar pela alimentação e na verdadeira "febre" de produtos alimentares que encontramos à venda), mas saberemos na verdade o que é a leveza, dado que vivemos com tantas convicções, regras, leis, certezas... Teremos (mesmo) essa consciência? Como conseguir ser leve quando temos a todo o momento de lidar com perdas, lutos, escolhas (por vezes super difíceis), revoltas pessoais e num mundo cheio de injustiças? Esta é uma das chamadas "million dollar question" para a qual gostava muito de ter a resposta. Não tenho. Ninguém a tem.

Vivemos num mundo em que é bem mais fácil ser pesado. Temos muitas coisas que nos levam a isso todos os dias, basta ver 30m de telejornal.... E por estranho que pareça parece que os problemas e questões que temos que resolver no nosso dia-a-dia nos fazem-nos sentir mais seguros, mais fortes. Parece que não nos podemos sentir bem durante muito tempo, ou muitas vezes parece que não o podemos estar. Parece estranho, não "normal". Como nos podemos sentir bem e felizes quando há tantos problemas à nossa volta? É por causa de hábitos, escolhas, crenças que vamos "enfiando" em nós que pensamos que não temos esse direito em casos mais extremos que não merecemos até. 

O ser e ter uma natureza mais leve tem muito a ver com a nossa própria maneira de ser, com o somatório de experiências que vamos tendo e sobretudo com a maneira como vemos ou melhor como escolhemos ver as coisas. E é nesta escolha que para mim reside a "resposta". Tudo depende da maneira como olhamos para a realidade, como a escolhemos ver. Há quem a escolha ver a preto e branco e há quem a veja a cor-de-rosa. Não é uma questão de pessimismo ou optimismo, é apenas uma forma de estar e reagir perante os acontecimentos. Ambas têm dissabores. Quem a vê a preto e branco, são as chamadas pessoas mais realistas em que pouco ou nada as surpreende, pois fazem todos os cálculos e medem com precisão todas as coisas e acontecimentos. Na segunda categoria, à qual pertencem as pessoas muito mais emotivas, vive-se sofre-se, sente-se mais. Como em tudo, o ideal seria um equilíbrio entre estas duas realidades, entre estas duas cores. Uma mistura de preto e branco com rosa. 

O viver com leveza é, no meu entender, o verdadeiro saber viver. Menos stress, menos pressão interna, menos preocupações, horários, menos correrias, menos pressa, menos vergonha, menos cansaço e sim mais momentos alegres, mais optimismo, mais dedicação, mais bom humor. Tudo coisas simples que podemos ir mudando, implementando e que todas somadas dão como resultado uma muito maior vontade de viver e consequentemente uma maior leveza em nós.

"No fim tu hás- de ver que as coisas mais leves são as únicas que o vento não conseguiu levar: 
um estribilho antigo 
um carinho no momento preciso
o folhear de um livro de poemas
o cheiro que tinha um dia o próprio vento..." M. Quintana

Imagens © Direitos reservados

agosto 07, 2015

C-E-L-U-L-I-T-E

A propósito deste "tema" que muito se fala e pensa nesta altura do ano e não havendo propriamente fórmulas mágicas contra ela, relembro os 5 procedimentos que são, na minha opinião, os mais eficazes:

- Drenagem Linfática, massagens e/ou tratamentos específicos;
- (O clássico) beber 1,5l de água por dia. Em alterativa Chá de Borututu (que há muitos anos me foi recomendado por uma especialista no assunto);
- Creme anti-celulítico todos os dias de preferência 2x por dia;
- Alimentação cuidada (o mais difícil... Ai as bolas de berlim na praia...!);
- Exercício físico (correr, no meu caso específico, é o mais eficaz)

É claro que para tudo o mais importante é a força de vontade, é acima de tudo uma questão de mentalização, de querermos mudar. Uma vez conseguida tudo o resto é "fácil".

Também a propósito de celulite, termina hoje o passatempo BodyConcept onde podem ganhar 3 conjuntos de 2 tratamentos intensivos + 6 tratamentos de programa mensal. Link para o passatempo, aqui.

*Escrito em colaboração com a BodyConcept

agosto 04, 2015

Princípio da Semana #53

a·gos·to- Oitavo mês do ano; Do latim Augustu- nome do imperador que deu o nome a este mês.

Não há grande definição a nível de dicionário para o mês de Agosto. A nível histórico consta que este 8º mês do calendário é uma homenagem ao Imperador César Augustus, que não queria ficar atrás de Julio César e por esta razão. Agosto também tem 31 dias. 

Agosto "rima" com férias, assim como Dezembro "rima" com Natal. Este é o mês em que por norma não nos apetece trabalhar ou que é como a antítese de trabalho. Embora já não o seja assim tão taxativo, até há pouco tempo atrás era considerado o mês de férias por excelência. Todaaa a gente tinha férias em Agosto. 

Por norma sempre foi visto como um mês de paragem e não de movimento, de fazer coisas. Na minha opinião, Agosto em muito se assemelha a Dezembro, apesar do tempo ser totalmente diferente. Para além de ser um mês de viagens, é também um mês de visitas. Visitas de quem não vive cá e regressa, visitas de quem cá vive e viaja para as fazer. Mês de festas nas mais variadas terras e aldeias, sobretudo mês de estar com a família e com os amigos, mês de dar e receber e este o ponto de (grande) união entre os dois meses.

"Em Agosto fazer tudo ao nosso gosto", li algures. O que significa fazer tudo aquilo que nos faça sentir bem, e felizes. Acima de tudo declarar a nossa independência face a desejos, hábitos e rotinas. É certo que todos precisamos de os ter, mas também sabe bem e é-nos necessário poder quebrá-los nem que seja por um curto período de tempo. Sobretudo os do dia-a-dia, aqueles que nos podem facilmente levar a parecer que todos os dias são iguais. Precisamos desta liberdade, de a sentir, de sentir que podemos mudar se de facto o quisermos, está (sempre) nas nossas mãos, mesmo que muitas vezes não o vejamos. É neste exercício de livre-arbítrio que aprendemos, que plantamos sementes, e que exercemos as nossas vontades de acordo com os nossos sonhos.

Nunca é demais relembrar que nos devemos impedir de sonhar. De acreditar. E não é por as coisas sempre terem sido de uma determinada forma que hão-de sempre ser iguais. Se somos submissos, ou até "escravos" de algum sentimento, ou situação, estamos sempre a tempo de o mudar. Sempre. A nossa vida é feita de superação de obstáculos. É nesta superação que reside a nossa força. Que tal gritarmos independência, neste mês que tem tudo para ser ao nosso gosto?

"Que Agosto venha com gosto. Gosto de conquista, de amor, de realizações, ao meu, ao teu, ao nosso... Gosto".

Imagem © Direitos reservados
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Babi a Única © 2009-2014. All Rights Reserved | Powered by Blogger

Blog Design por The Zero Element