O Fenómeno AR

34 Anos. (Já) uma história, uma lição de vida. Fui ver a semana passada este que é um documentário sobre a vida, o cantor, a pessoa Anselmo Ralph.

"Conheci" o Anselmo e as suas músicas o ano passado, como a maior parte de nós e confesso que até hoje, a nível musical foi das maiores surpresas que tive. Apaixonei-me instantaneamente pela sonoridade, pelo ritmo, pela voz e pelas letras. Sim, as letras. Não tenho qualquer problema em admiti-lo. Se podem ser consideradas de "básicas" por muitos? Podem. Se calhar até são. Eu prefiro chamar-lhes simples. Foi essa simplicidade que me prendeu, desde o primeiro instante que lhes decidi dar atenção, neste caso ouvidos. A verdade dos factos é que Anselmo está, é um fenómeno, à escala intercontinental. Não pára de dar concertos, de assinar contractos, de fazer tudo e mais alguma coisa, de ser notícia portanto.

O documentário fala-nos do seu percurso de vida e da sua conquista progressiva por vários (ou todos) os continentes, da sua pesada doença e da forma como sempre lidou com esse percalço, mas mais do que isso mostra-nos algo e dá-nos a conhecer aspectos bem mais importantes da vida e pessoa AR, como por exemplo o Anselmo que não escreve letras, ("para quê escrever se está tudo no coração?") e se as tem na cabeça, o Anselmo que tem cuidado na construção das mesmas, porque para ele está sempre a família como núcleo principal, a escolha das coreografias, consoante se há crianças ou não a assistir aos concertos e todo um leque de pormenores que me fazem afirmar que é de facto um exemplo de vida, de pessoa e de simplicidade. E é isso que mais admiro em AR. A sua enorme, gigante simplicidade. A sua boa-disposição o seu (bom) coração e também outra qualidade igualmente bonita, a sua humildade. Refiro várias vezes em conversas que já tive sobre ele que não conheço mais nenhum artista, cantor e/ou banda que acabe todos os seus concertos (sim, vou a todos que posso), com uma música que se chama "Muito Obrigado". E penso que com isto está, mesmo, tudo dito. O mais puro exemplo de reconhecimento e de humildade. Admiro muito pessoas assim e por isso sou fã da sua força, da sua determinação, da sua garra. 

"Nunca vou fazer aquilo que não sinto".



Imagem © Direitos reservados

CONVERSATION

0 comentários:

Enviar um comentário

Back
to top