Princípio da Semana #35

i.lu.mi.nar- Difundir; Espalhar luz em ou sobre; Encher-se de luz; Aconselhar; Esclarecer; Inspirar; Civilizar; Ilustrar; instruir; Revestir de luz; Alegrar(-se); Aclarar(-se) o espírito.

Há pessoas com um brilho tão próprio que se distinguem à légua. Brilham por si só. Acredito que já nasçam assim, com uma luz intensa, única e estejam onde estiveram, como e com quem estiverem, damos sempre por elas. Chamamos-lhe carisma, pessoas carismáticas. Eu chamo-lhe luz, pessoas iluminadas. Pessoas que independentemente sua idade, género, têm muitos ensinamentos para nos dar, muita experiência para nos transmitir. É uma verdadeira bênção para nós "tropeçarmos" nelas e melhor ainda quando temos consciência disso, pois ai podemos absorvê-las e a tudo aquilo que têm para nos oferecer muito mais facilmente. Nunca, mas nunca as devemos invejar (é fácil, eu sei), ou tão pouco resistir-lhes, pois se se cruzam connosco, no nosso caminho, é porque têm algo de muito importante a transmitir-nos. É porque são importantes para o nosso percurso. Devemos valorizar e ter a humildade de reconhecer isso. Pessoas assim são fáceis de reconhecer, são aquelas que nos contagiam, que dá vontade de termos perto de nós, de ouvirmos, de fazermos parte da vida delas. Todos nós precisamos de ter este tipo de seres iluminados na nossa vida, pois são referências importantes para nós.

Pelo contrário, há as pessoas opacas, sem luz própria, escuras (cinzentas). Há que (assim como as primeiras) saber identificá-las e, tanto quanto possível, mantê-las à distância, ou pelo menos a uma distância segura para nós e para o nosso bem-estar. São as chamadas pessoas tóxicas, que mesmo sem querer nos fazem mal, nos causam mal-estar psicológico e muitas vezes físico até. Pessoas que mesmo que se cruzem com as chamadas iluminadas não as sabem identificar, ou se identificam sentem todo um tipo de sentimentos contrários aos que deviam sentir, como invejas, revoltas, não reconhecimentos, rancores, etc.. Todo um conjunto de sentimentos que ninguém precisa ter ou sentir em si.

Iluminarmo-nos é preciso. Quer através de pessoas, quer a nós próprios, como exercício. Pessoalmente, é algo que faço mesmo muito frequentemente, por isso ontem estive horas ao sol. Estar ao sol, está no meu top 5 de maiores prazeres da vida. Estar ao sol, fazermos a nossa fotossíntese, como costumo dizer, é essencial para carregar baterias. Serve para parar, para pensar, reflectir, desabafar, conversar, ou simplesmente estar sem fazer nada. Estar ao sol tem um efeito curativo incrível. A luz do sol aumenta a nossa energia, humor e reforça também o sistema imunitário. Ser iluminados é, portanto, das melhores coisas que podemos fazer por nós próprios e pelos que nos rodeiam.

"Tu existes para iluminar os outros:

Certo dia um fósforo disse a uma vela: “Eu tenho a tarefa de acender-te.” Assustada, a vela respondeu: “Não, isto não! Se eu for acesa, os meus dias estarão contados. Ninguém vai mais admirar a minha beleza”.

O fósforo perguntou: “Tu preferes passar a vida inteira, inerte e sozinha, sem ter experimentado a vida?” - “Mas queimar dói e consome as minhas forças”, sussurrou a vela insegura e apavorada. “É verdade”, respondeu o fósforo, “mas este é o segredo da nossa vocação. Nós somos chamados para ser luz! O que eu posso fazer é pouco. Se não te acender, perco o sentido da minha vida. Existo para acender o fogo.

Tu és uma vela: tu existes para iluminar os outros, para aquecer. Tudo o que tu ofereceres através do sacrifício, do sofrimento e do teu empenho será transformado em luz; Tu não te acabarás consumindo-te pelos outros. Outros passarão o teu fogo adiante. Só quando tu te recusares, então morrerás!

Querem saber o que aconteceu? Dizem que, em seguida, a vela afinou o seu pavio e disse cheia de alegria: “Eu te peço, acende-me”."

CONVERSATION

0 comentários:

Enviar um comentário

Back
to top