Princípio da Semana #22


ba·lan·ço- Acção ou efeito de balançar; Exame minucioso; Avaliação; Resultado figurado; Fazer o balanço de.

Estamos na última semana do ano e como tal o princípio de hoje tinha de ser este. Um balanço é algo que forçosamente fazemos neste último mês, ou semana do ano. É uma altura em que medimos os ganhos e as perdas que tivemos ao longo do ano. Podemos não o fazer conscientemente, mas todos o fazemos. É mesmo importante que o façamos para também prepararmos terreno para alcançarmos em 2015 o que ficou ainda por alcançar em 2014. Esta reflexão é mesmo fundamental para tomar um conjunto de decisões que nos levarão ao que efectivamente queremos na nossa vida. “Reflectir é o primeiro passo para começar a atitude”. 

Esta é também uma altura particularmente delicada, pois é feita uma contabilidade quer material quer emocional e se por um lado é uma altura de esperança, é também uma altura que pode provocar alguma tristeza por diversos factores. Diria que o principal é não termos atingido todas as metas a que nos propusemos no início deste ano. O emprego que não surgiu, a relação que falhou ou não aconteceu, o peso que não baixou tanto como queríamos, o filho que não veio, as férias que queríamos ter feito e não fizemos. Há todo um conjunto de coisas que podemos não ter conseguido fazer e isso por si só causa-nos um sentimento interno de frustração. Todos os nossos sonhos e planos são as nossas metas: costumamos elaborá-los no início de cada ano e a eles nos dedicarmos com algum afinco e muitas vezes não conseguimos atingi-las na totalidade. Mas, nunca nos podemos esquecer que são os nossos sonhos que nos impulsionam. O importante é que neste ano que passou tenhamos conseguido algum avanço, que tenhamos a sensação de que nossa vida evoluiu. E a vida evolui sempre, pode é não ser ao ritmo que gostaríamos, dado que no campo da vida interior, os avanços, nunca são tão rápidos quanto desejaríamos que fossem, pelo contrário, normalmente são lentos e difíceis, logo qualquer progresso mínimo já deve ser motivo de grande alegria e de comemorações mesmo que sejam com pequenos mimos que devemos fazer a nós próprios. 

Pessoalmente e fazendo o meu próprio balanço e contabilidade emocional, pois esta para mim é sem dúvida a verdadeiramente importante, este foi, sem dúvida, um ano de ganhos. 2014 foi o ano em que mais recebi. Ganhei uma nova família não de sangue, mas tão ou mais importante e reconstrui uma outra essa sim de sangue. Conheci pessoas fantásticas em todos os campos, quer pessoal quer profissionalmente. Pessoas que sei que serão para sempre "minhas", e que farão para sempre parte de mim e da minha história. Foi sobretudo um ano de grande desenvolvimento interior, que se reflectiu em todas as áreas e campos da minha vida. Se tivesse que escolher uma palavra para 2014, escolheria consciência. Consciência daquilo que sou, daquilo que quero e que represento para as pessoas que comigo se cruzam. Foi um ano de cuidar (o meu verbo preferido), e em que também me permiti ser (muito) cuidada. A 3 dias de 2015, sinto-me verdadeiramente grata por tudo o que alcancei e ganhei em 2014. Mesmo!

Para 2015, e como não nos devemos esquecer que as coisas que não foram atingidas, neste ano que agora termina, continuarão na nossa agenda, a recomendação é pensar que temos novos 365 dias para as alcançar juntamente com todas as outras novas expectativas que por aí vêem. 

Acredito que o verdadeiro "segredo" e postura que devemos ter para encararmos este novo ano, é sermos felizes, com aquilo que temos e com a pessoa que somos. 

CONVERSATION

0 comentários:

Enviar um comentário

Back
to top