Princípio da Semana #15

in·tu·i·ção- Percepção instintiva; Conhecimento imediato; Pressentimento da verdade; Deduzir ou concluir por intuição; Discernir; Pressentir.

É para mim a maior ferramenta que temos, que Todos temos, contudo e na minha opinião tão pouco valorizada... Existem inúmeros livros, pensamentos,  teorias, ideias sobre o assunto mas a natureza da intuição é algo que nos escapa e que já inspirou séculos de pesquisas e estudos nos campos da filosofia e psicologia. 

Associamos muitas vezes a intuição às mulheres (intuição feminina diz-se) mas todo o ser humano a tem. Todos, quer sejamos homem ou mulher teoricamente já tivemos aquele sentimento, aquele raciocínio inconsciente que nos impele a fazer alguma coisa sem nos dizer por que ou como. É o que chamamos de palpites, de ter a impressão que...

A intuição está sempre presente, quer tenhamos consciência disso ou não. É sábia, é sem dúvida a nossa voz, aquela que não nos falha nunca, aquela que de todas as vozes que ouvimos se deve sempre sobrepor, que deve estar sempre na base de todas as nossas decisões. Acredito que como em todas as características que nos definem como seres humanos, há pessoas mais intuitivas que outras, mas a intuição precisa de ser estimulada e como tal há algumas medidas que podemos tomar para nos tornarmos seres mais intuitivos e são elas:

- Prestar bastante atenção à nossa voz interior- O que melhor distingue as pessoas intuitivas é que ao invés de ignorar, elas ouvem a orientação das suas intuições e instintos;
- Reservar tempo para ficarmos sozinhos- Ajuda-nos a praticar o pensamento mais profundo e conectarmo-nos connosco; Todos precisamos de um pouco de solidão, um pouco de silêncio, nem que seja apenas de vez em quando;
- Criar- A intuição está directamente ligada à nossa criatividade;
- Praticar a atenção consciente- A atenção consciente ("mindfulness") ajuda-nos a eliminar a "tagarelice mental" a que todos estamos sujeitos;
- Observar tudo- Observar é tomar nota mentalmente de coisas incomuns que acontecem;
- Ouvir o nosso corpo- As intuições podem e provocam sensações físicas no corpo, há que lhes prestar atenção;
- Conectarmo-nos aos outros de forma profunda- Ler os pensamentos dos outros pode parecer algo do campo da fantasia, mas na realidade é algo que fazemos diariamente. Dar atenção às nossas emoções, observar e ouvir os outros pode e reforça o nosso poder de empatia;
- Prestar atenção aos nossos sonhos- Sonhos e intuições nascem no inconsciente, a parte intuitiva do cérebro logo quando sonhamos, recebemos informações intuitivas. Se lhe dermos a devida atenção, podemos receber muitas informações sobre como vivermos melhor e tomarmos as melhores decisões para nós;
- Dar-nos tempo para relaxar- Estar a fazer 1001 coisas ao mesmo tempo, a correr de um lado para o outro, sem tempo para parar sufoca a nossa intuição, pois não percebemos e estamos demasiado ocupados para tomar nota dos avisos intuitivos que recebemos.
 - Não transportarmos emoções, sentimentos negativos- As emoções muito fortes, sobretudo as negativas, podem anular a nossa intuição. Quando nos sentimos mal, com raiva ou deprimidos, ficamos fora de sintonia com os outros, e principalmente connosco o que naturalmente faz-nos ficar desconectados com a nossa intuição.

Para sermos pessoas equilibradas precisamos de um misto de intuição e de pensamento racional. Podemos e devemos recorrer a todas as ferramentas que temos e encontrar um equilíbrio entre elas. Ao procurar esse ponto de equilíbrio, vamos finalmente colocar todos nossos recursos cerebrais em acção. 

A minha intuição diz-me que sim, que depois de lerem este texto o vão pelo menos tentar fazer...

"Todo o conhecimento humano começou com intuições, passou daí aos conceitos e terminou com ideias". I. Kant

Imagem © Direitos reservados

CONVERSATION

0 comentários:

Enviar um comentário

Back
to top