Crónicas da Inês #7

Entra:
“Entra”, disse ela, com um sorriso que lhe colocou um brilho no seu olhar.
Ele trazia um ramo de crisântemos brancos delicadamente atados num fio de cetim cor-de-rosa. Na penumbra da sala iluminada pelas velas encarnadas com aroma a morango que ela mantinha acesas, ouviam-se os grandes êxitos de Barry White.
Abraçaram-se sem proferir nenhuma palavra. Um abraço quente e forte que durou o equivalente ao tempo a que não se viam e, quando depois os seus olhares se cruzaram, ela percebeu que ele estava ali. Debaixo daquela armadura fria que ele havia vestido estava o Francisco que ela conhecia. O Francisco que a queria e a desejava e ria com ela e crescia com ela e vivia nela. Sem medos e sem restrições.
Quebrando o silêncio dos olhares, ele disse:
- Beatriz, deixa-me ter-te, amar-te, cuidar-te. Deixa-me ser o homem que tu queres. Quero aprender tudo sobre ti. TUDO. O que gostas e o que não gostas. Tu fazes-me sentir o meu melhor, querer ser o meu melhor. Fica comigo.
Naquele momento o tempo abrandou e ela esqueceu todas as vezes que tinha chorado por ele, dias a fio, noites atrás de noites, sozinha, na sua cama, no sofá, no chão da sala, na banheira, ela e os seus pensamentos, ela e os seus desejos.
Ficaram ali, no sofá, a observarem-se, a adorarem-se. Não fizeram perguntas. Contaram histórias e riram-se a gargalhadas altas como era seu costume e dormiram juntos nessa noite. Dormiram enleados um no outro na cama que era dela e que agora não se encontrava mais vazia.

“Entra”, disse ela. E quando ele entrou as suas vidas recomeçaram.


Imagem © Direitos reservados

CONVERSATION

0 comentários:

Enviar um comentário

Back
to top