Princípio da Semana #11

re.gres.sarRetornar ao local ou circunstância inicial; Voltar ao ponto de início; Voltar; Retroceder; Fazer com que (algo ou alguém) volte;

Encaro sempre a palavra regressar como algo de muito positivo. Um regresso acarreta sempre um novo recomeço, uma nova página, mesmo que à partida nos pareça a mesma história, a mesma situação, as mesmas pessoas, o mesmo sítio. Nunca é.

Viajar é das melhores coisas da vida e das melhores coisas que podemos fazer por nós próprios. Viajar é essencial para a saúde da nossa mente, pois estimula o pensamento e melhora o relacionamento quer connosco, quer com as pessoas que nos rodeiam. Para mim o "ir" é mesmo uma questão de extrema necessidade. É importante saber parar e viajar proporciona-nos óptimos momentos não só de diversão com os outros, mas também são óptimos momentos para passarmos connosco, em "silêncio". Ajuda-nos a uma melhor compreensão de nós próprios, na medida em que nos vemos afastados da verdadeira "loucura" que é o nosso quotidiano e isso faz-nos reflectir sobre uma série de coisas, nomeadamente o que efectivamente queremos para nós e para a nossa vida. Mas o voltar, o regressar é igualmente importante. Por melhores, mais divertidas que sejam as viagens que fazemos, existe sempre o momento de retornar ao nosso "porto seguro", ao "melhor sítio no mundo" que é naturalmente o nosso mundo, a nossa casa.

Há os regressos físicos e os regressos emocionais, ou até e mais naturalmente uma mistura dos dois, já que o que pode parecer apenas um regresso físico nunca o é por si só. O que sentimos é sempre diferente mas o importante é termos a noção que interpretamos as sensações que sentimos no nosso corpo, e que essas interpretações são traduzidas num sentimento ou emoção, e que por sua vez esses sentimentos construídos pela nossa interpretação fazem emergir um determinado estado de ser que é naturalmente sempre diferente a cada minuto, segundos até que passam.

Regressar a um sítio onde já estivemos, que é "nosso" traz sempre connosco um conjunto de sentimentos e emoções que sentimos ao regressar a esse mesmo sítio. Quando fazemos este regresso, já somos pessoas diferentes. O importante é existirem sempre em nós e na nossa vida inúmeros "regressos".

"Não voltaria no tempo para consertar meus erros, não voltaria para a inocência que eu tinha - e tenho ainda. Terei saudades da ingenuidade que nunca perdi? Não tenho saudades nem de um minuto atrás. Tudo o que eu fui prossegue em mim". Martha Medeiros

Imagem © Direitos reservados

CONVERSATION

0 comentários:

Enviar um comentário

Back
to top